quarta-feira, 4 de novembro de 2015

O Mensageiro do Algarve, Ano III n.º 10

<iframe src="//pt.slideshare.net/slideshow/embed_code/key/gJmLLqe6xfih7J" width="477" height="510" frameborder="0" marginwidth="0" marginheight="0" scrolling="no" style="border:1px solid #CCC; border-width:1px; margin-bottom:5px; max-width: 100%;" allowfullscreen> </iframe> <div style="margin-bottom:5px"> <strong> <a href="//pt.slideshare.net/mensageiro2013/o-mensageiro-do-algarve-n-10" title="O Mensageiro do Algarve n.º 10" target="_blank">O Mensageiro do Algarve n.º 10</a> </strong> from <strong><a href="//www.slideshare.net/mensageiro2013" target="_blank">mensageiro2013</a></strong> </div>

<div data-configid="8571804/31124071" style="width:525px; height:371px;" class="issuuembed"></div>
<script type="text/javascript" src="//e.issuu.com/embed.js" async="true"></script>

http://www.slideshare.net/mensageiro2013/o-mensageiro-do-algarve-n-10

http://issuu.com/mensageiro_algarve/docs/messageiro_10?e=8571804/31124071

terça-feira, 2 de setembro de 2014

O Mensageiro do Algarve, Ano II n.º 6


O aparecimento dos primeiros selos, em 1840, deram origem, poucos anos depois, ao aparecimento dos primeiros colecionadores, dos primeiros comerciantes e das primeiras revistas filatélicas, por volta dos anos 60 do século XIX. Estas proliferaram um pouco por todo o lado e foi raro o clube que não tivesse editado revistas.
Atualmente, no contexto nacional e até mundial, torna-se proibitivo à maioria das Agremiações, dedicadas ao colecionismo, editarem revistas em papel, com uma edição de poucas centenas de exemplares, para envio aos seus sócios.
Com o desenvolvimento das modernas tecnologias começaram a aparecer, um pouco por todo o lado, publicações de livros e revistas digitais tendo como ferramenta principal um computador.
Em boa hora surgiu "O Mensageiro do Algarve", no panorama filatélico nacional. É uma revista publicada on-line, sem subsídios de qualquer espécie, fruto de muita carolice e trabalho dos elementos das Agremiações Filatélicas desta província que, numa união de esforços, resolveram lançar-se neste desafio.
A edição trimestral permite dar-lhe uma panorâmica das atividades realizadas durante os últimos três meses e noticiar o programa para o trimestre seguinte incentivando os colecionadores no Algarve.
Com o seu envio para largos milhares de endereços o Mensageiro contacta grande número de filatelistas e de instituições que, de outro modo, não teriam informação sobre a nossa atividade filatélica. Provavelmente será a revista filatélica portuguesa mais lida em todo o mundo.
Não podemos deixar de destacar dois eventos relevantes levados a efeito, neste trimestre, no Algarve. Em Abril a Mostra Filatélica dedicada ao Mar, pelo Núcleo de Filatelia Juvenil de Armação de Pêra – “O Bichinho do Selo", que está integrada na Escola E. B. 2/3 Dr. António Costa Contreiras de Armação de Pêra e, em Junho, o II Encontro Int. de Colecionismo de VRSA pela Sec. de Colecionismo da Assoc. Humanit. dos Bombeiros Voluntários de Vila Real de Santo António.
Entramos num novo trimestre e prepara-se a quinta Algarpex, um marco importante da Filatelia do Algarve, no próximo mês de Setembro. Aproveitando o acontecimento assinalam-se, também, os 150 anos da criação da palavra "Filatelia" pelo francês Herpin, no ano de 1864, palavra que foi imediatamente adotada. Efeméride esquecida em Portugal a merecer ser referenciada.
Com este sexto número de "O Mensageiro do Algarve" e o sétimo já em preparação, esperamos continuar a não desiludir os nossos leitores dos quais aguardamos, com toda a satisfação, as suas opiniões e sugestões.

O Mensageiro do Algarve, Ano II n.º 5


No passado dia 29 de Março, teve lugar em Lisboa, no Hotel Travel Park, o Congresso Ordinário da Federação Portuguesa de Filatelia – APD.
O Congresso foi presidido pelo nosso colega de redacção, António Borralho e secretariado por Eduardo Sousa.
Da extensa ordem de trabalhos, que nos escusamos aqui de a incluir no seu todo, constavam a apreciação, discussão e votação do relatório e contas de gerência da direcção referente ao ano de 2013 e as Eleições para os Corpos Sociais da Federação para o quadriénio 2014-2018, lista que integra alguns filatelistas do Algarve, ambos os pontos aprovados por unanimidade. Porém, foi no período prévio à ordem de trabalhos, concedido pelo Presidente da Mesa, em que mais discussão houve, à volta das relações da Federação com outras entidades, da divulgação das actas das assembleias e do Dia do Selo.
Nesta fase do Congresso, os clubes algarvios estiveram particularmente activos, principalmente à volta do Dia do Selo, que há longos anos tem vindo a ser comemorado a 1 de Dezembro, feriado este que se encontra suspenso por quatro anos, e, em consequência deste facto, para o Dia do Selo deveria ser escolhida uma data fixa, comemorando em eventos organizados simultaneamente nas diferentes zonas filatélicas.
Uma discussão que está aí para durar, logo em vésperas de se comemorarem 60 anos desde a sua criação em Portugal e que se quer comemorar condignamente no próximo ano.
Uma outra efeméride, mas esta já para este ano, são os 60 anos da Federação Portuguesa de Filatelia. Da ordem de trabalhos constava a escolha do local para a realização do próximo congresso ordinário. O Presidente da Direcção da Federação tomou a palavra dizendo que gostaria que as comemorações se realizassem em Lisboa, sendo intenção da Federação solicitar um Inteiro Postal Comemorativo aos Correios, pedindo ao mesmo tempo às Federadas que enviem propostas de Filatelistas que mereçam ser homenageados, pelos serviços prestados em prol da Filatelia. Ficamos alerta…
Neste primeiro trimestre, realizaram-se no Algarve, em Faro e em Estoi, duas manifestações filatélicas com a particularidade de na primeira das localidades a Mostra Filatélica poder ter sido visitada à distância. Foi a primeira vez que em Portugal se produziu um evento filatélico sob as formas física e virtual.

sábado, 1 de fevereiro de 2014

O Mensageiro do Algarve - Ano I n.º 4

Editorial
Com o presente número de O Mensageiro do Algarve, fechamos o primeiro ano de publicação.
Quanto a nós, considerámos positivas as três primeira edições, já que cumprimos aquilo que nos propusemos. Em primeiro lugar dar a conhecer os nossos agrupamentos e o nosso trabalho durante um ano de actividade, depois outros artigos tendo o Algarve como pano de fundo. Não esquecemos outras áreas do coleccionismo e, também a filatelia nacional quando este tivesse implicação, mesmo que indirecta com o Algarve e os algarvios.
Convidámos filatelistas para colaborar connosco, mesmo que não habituados à escrita, pelo que, sendo uma preocupação em informar o que por aqui se passa, não é preocupação principal que os artigos a publicar sejam dirigidos a filatelistas avançados, mas para estes e também para o comum ajuntador de selos ou até para aqueles que pensem que a filatelia é coisa de maluquinhos pelos selos.
Não, não é narcisismo o que nos move, O Mensageiro do Algarve é uma revista algarvia porque esse foi o desejo dos clubes filatélicos do Algarve e dos seus dirigentes, não, não é narcisismo mesmo que, preferencialmente, querermos dar destaque ao que se passa nesta província do sul – é mesmo uma revista do Algarve.
Optámos pela sua distribuição digital meramente por questões económicas e de rapidez de circulação, não ficando de parte para, numa fase posterior e se esse foi o desejo maioritário, darmos o salto para a versão impressa. Os actuais meios de comunicação permitiram-nos divulgar, através de correio electrónico, a revista a alguns milhares de “assinantes virtuais” alguns dos quais, sabemos nós, também eles o divulgaram pelo seu ciclo de amigos igualmente através de correio electrónico.
Estamos sensibilizados com as mensagens de apreço que vamos recebendo e estas tornam-se num incentivo para continuar – é este o nosso propósito.